Saiba como é a prova para Habilitação de Mestre-Amador

Muita gente se engana achando que é preciso ter alguma formação em ciências náuticas para se tornar prático de navios. Os últimos concursos tiveram, entre os seus aprovados, profissionais de diversas áreas, como dentistas, engenheiros e advogados, entre outras carreiras. Além de ser brasileiro, acima de 18 anos e com nível superior completo em qualquer área, a única exigência da Marinha é que o candidato tenha a habilitação de Mestre-Amador para que possa participar do processo seletivo. Esta qualificação pode ser facilmente obtida: basta fazer uma prova – que acontece várias vezes ao ano, às vezes semanalmente – na Capitania dos Portos mais próxima da sua cidade.

A Marinha concede três tipos de habilitação para a condução de embarcações por amadores: Arrais-Amador, que dá permissão para circulação apenas em áreas abrigadas; Mestre-Amador, que habilita o piloto à navegação costeira; e Capitão-Amador, que permite a navegação em alto mar, a qualquer distância da costa. Para obter esta última licença, o candidato deve fazer uma prova que só acontece duas vezes ao ano, em abril e outubro, no Centro de Instrução Almirante Graça Aranha (CIAGA), no Rio de Janeiro.

A avaliação para obter a habilitação de Mestre-Amador é bem simples, como explica o Capitão de Mar-e-Guerra do Corpo da Armada e Hidrógrafo Jaime Roberto da Costa Felipe, autor do livro “Capitão-Amador – Navegação Segura em Cruzeiros de Alto-mar”, recomendado pela Marinha para o exame de Capitão-Amador e já em sua 4ª edição.  “É uma prova teórica, com questões de múltipla escolha”, adianta Jaime, professor do Curso H que ministra o curso online específico para quem vai fazer a prova para Mestre-Amador.

Mestre ou Capitão, quando começar a se preparar?

Uma estratégia comum (e muito equivocada) observada entre candidatos consiste em primeiro tirar as habilitações de Mestre e Capitão Amador, para só então começar os estudos para Praticante de Prático. “Essa estratégia não faz o menor sentido”, observa Hercules Lima, Prático e fundador do Curso H. Em sua visão, os estudos para Prático devem iniciar no instante em que o sujeito toma a decisão de que quer se tornar Prático. Já as habilitações de Mestre e Capitão podem ser obtidas com tranquilidade durante a preparação para o processo seletivo. “Fazer o contrário seria uma inversão de prioridades, um desvio de foco com consequência importante no tempo necessário para se alcançar um patamar competitivo no concurso para Prático”, complementa Hercules.

É importante lembrar: a primeira fase do processo seletivo para Praticante de Prático é a prova escrita. Nesta primeira e mais difícil etapa, os concorrentes bem preparados de distintas áreas de formação estão rigorosamente no mesmo patamar – o que faz da seleção de práticos no Brasil um procedimento extremamente democrático. É um equívoco achar que candidatos oriundos de atividades náuticas levem alguma vantagem nesta prova. Dada a especificidade dos assuntos cobrados, os conhecimentos prévios dos profissionais do mar lhes conferem apenas uma pequena vantagem inicial, que logo desaparece após uns poucos meses de estudo.
.

Mestre-Amador: conheça os temas da prova

Entre os temas abordados no curso – e cobrados na avaliação – estão noções básicas de meteorologia, estabilidade de barcos, navegação costeira e comunicações no mar. Até o último processo seletivo para prático de navios no Brasil, a exigência estabelecida pela Marinha era a habilitação de Mestre-Amador. Não há, até o momento, indícios claros de que esse quesito será alterado. Mas o grande crescimento do número de interessados pela Praticagem e comparativos internacionais alimentam uma corrente que crê em uma mudança de patamar na habilitação a ser exigida para o concurso.

O passo seguinte na hierarquia de habilitações seria a de Capitão-Amador, que inclui conhecimentos mais aprofundados na condução de navios e requer uma dose a mais de estudos. Por isso há, entre os candidatos, um aumento na procura por essa habilitação. A busca se justifica, principalmente, pela menor janela de oportunidades para realização da prova – apenas duas vezes por ano. Tornar-se Capitão-Amador, como foi abordado no post Saiba como se preparar para a prova de Capitão-Amador, pode ser uma boa estratégia. Afinal, conhecimentos adicionais só podem trazer benefícios.

De quebra, o candidato ainda consegue antecipar-se a alguns conteúdos pelos quais, obrigatoriamente, passará ao longo de sua preparação para a prova escrita do concurso para prático. E a preparação para navegação em áreas distantes da costa pode representar, para os amantes do mar, o início de uma bela aventura. Mãos à obra!

Artigos Relacionados

20 Comentários

  • RICARDO REIS

    30 de julho de 2020

    oi, sou arrais amador , para fazer a prova de mestre amador preciso antes ser habilitado como capitão amador?

    • Curso H

      31 de julho de 2020

      Olá, Ricardo! Não é preciso ter habilitação como capitão para fazer a prova de Mestre.

  • Neriton Alves Miranda

    28 de julho de 2019

    Previsão pra quando o próximo concurso de Prático?

    • Curso H

      30 de julho de 2019

      Olá, Neriton! Infelizmente essa informação só pode ser definida e divulgada pelo DPC, pois são eles que abrem e regulam o edital do concurso. Ninguém sabe quando o próximo Processo Seletivo será aberto. Assim que essa informação existir, será amplamente divulgada em nosso site e nas redes sociais.

  • Francisco B Silva

    17 de maio de 2019

    Já sou habitado em Arrais. Queria informações sobre o preparatório para mestre amador. Tempo, provas, preços etc
    Grato

    • CursoH

      17 de maio de 2019

      Boa Tarde Francisco,
      Tudo bem?

      Para maiores informações sobre o Curso de Mestre Amador, você pode entrar em contato com nosso comercial pelo whatsapp 21 3903-0242.
      Você pode também checar informações em nosso menu> curso+> relacionados ao PSPP> Preparatórios para o exame de mestre e capitão amador.

  • Alexandro

    27 de dezembro de 2018

    Olá Ja tenho uma certo experiencia ja trabalhei em lancha e tinha um barco
    me afastei um tempo do mar proficionalmente atuava somente lazer passaran se 15 anos perdi de vez a carta de arras amador, agora ja tirei a de arrais amador , mais preciso a de mestre amador,como proceder? é preciso um tempo como arrais? é preciso curso ou basta fazer a prova na capitanoa

  • sergio

    17 de novembro de 2018

    bom dia, fui informado que para tirar mestre amador tem que boias por 30 minutos. isso é verdade?

  • Samara pacheco

    22 de julho de 2018

    Boa tarde! Gostaria de saber se para obter a categoria de mestre amador é necessário eu ter antes a de Arrais? E quais passos seguir para isso?

    • Curso H

      29 de agosto de 2018

      Olá Samara,
      Sim! Para ter a habilitação de Mestre Amador é necessário já ser habilitada como Arrais Amador. Para a habilitação de Arrais indicamos que procure uma entidade náutica mais próxima de sua região e, para os exames de Mestre e Capitão Amador, você já pode estudar conosco! Dê uma olhada no nosso curso de Mestre e Capitão no link: https://cursoh.com.br/preparatorio-para-os-exames-de-mestre-e-capitao-amador/
      Bons estudos!

  • Sandro

    20 de maio de 2018

    Bom dia sou curioso nessa área de navegação do nada fiz o curso de a raz tenho a curiosidade de fazer o curso de Mestre . Como participar desse curso quais são as exigências a onde fazer. Moro no rio de janeiro

    • Curso H

      1 de junho de 2018

      Olá Sandro.
      A categoria de amadores é dividida em Arrais Amador, Mestre Amador e Capitão Amador. Se você é um entusiasta nesta área a habilitação de Capitão Amador lhe dará TODAS as permissões para navegar ao redor do mundo! Porém, para obter a habilitação de Capitão Amador é preciso, antes, obter a habilitação de Mestre Amador.
      Aqui no Curso H nós oferecemos os Cursos de Mestre e Capitão Amador. Nesta página você poderá obter todas as informações sobre estas habilitações.
      Bons estudos!

      • carlos souza

        13 de abril de 2020

        e para ser mestre amador precisa antes ser Arrais amador?

      • joaorafael

        14 de abril de 2020

        Olá, Carlos. Não é preciso ser Arrais para se tornar Mestre Amador. Você pode fazer diretamente a prova para a certificação de Mestre Amador.

      • EVALDO SANTANA DA SILVA

        30 de junho de 2020

        BOA NOITE, EU FIZ UM CURSO DE MOTORISTA DE PESCA, FIZ UM CURSO COMBATE AO INCEDIO E FIZ CURSO SOBREVIVENCIA AO MAR. PRECISO SABER SE XOM ESSES CURSOS EU POSSO FAZER O CURSO DE MESTRE AMADOR.

      • Curso H

        1 de julho de 2020

        Olá, Evaldo! O Preparatório para Mestre e Capitão Amador é aberto a qualquer pessoa, não é preciso ter cursos prévios. Nele você aprende tudo que é preciso para passar no teste de Mestre Amador do zero, mesmo para quem nunca teve contato com conhecimentos sobre o mar.

  • Nelson Marciano Franco

    18 de maio de 2018

    Boa noite,
    Gostaria de saber se o concurso para prático em seu edital estabelece idade limite.?
    Caso não estabeleça ,em São Paulo/SP onde encontro uma unidade do CursoH?
    Grato pela atenção

    Nelson M. Franco
    Obs: – Cursei Colégio Naval e o primeiro ano da Escola Naval de 1974 a 1977.Formei-me Engº Mecânico pela FEI em S.B. do Campo/SP,EM 1984.
    Tenho chances de aprovação?

    • Curso H

      30 de maio de 2018

      Olá, Nelson.
      Até o edital do processo seletivo de 2012 só havia restrição em relação à idade mínima de 18 anos como pré requisito, não havendo portanto restrições em relação à idade máxima para ingresso na função.
      Com relação à sua história acadêmica, acreditamos que ela facilitará o entendimento de diversos pontos da matéria. Porém, suas chances de aprovação estão diretamente relacionadas ao seu empenho na fase de estudos, como em qualquer outro processo seletivo.
      Em São Paulo o Curso H está instalado na Av. Paulista 1636, sala 103. Fica ao lado do MASP.

  • Beatriz

    22 de março de 2018

    Bom dia, gostaria de mais informações sobre o curso preparatório para a seleção de praticante de pratico assim como para as habilitações que são requisitos para participar do processo como mestre amador e capitão amador. Moro em outro país e gostaria de saber se posso me preparar online e ir ao Brasil somente na ocasião das provas. Muito obrigada.

    • Curso H

      25 de maio de 2018

      Olá Beatriz,
      Ficamos muito felizes em saber que nosso trabalho está chegando em outros países!
      Vou dividir sua reposta em duas instâncias pois, para o processo seletivo para praticante de prático, é possível estudar online e vir ao Brasil somente na ocasião das provas!
      Até o último processo seletivo só era requerida a habilitação de Mestre Amador. Porém, como se trata de um projeto de vida, indicamos que nossos alunos obtenham também a habilitação de Capitão Amador de forma a não serem surpreendidos por mudanças de pré requisitos em editais futuros.
      Se você já possui a habilitação de Arrais Amador, você poderá fazer toda a sua caminhada com o Curso H. Se não possuir, será preciso comparecer à qualquer instituição náutica e procurar pelo curso de arrais amador, pois esta habilitação requer horas de aulas práticas em embarcações.
      Em todos os casos de habilitação de amador é preciso fazer as provas fisicamente nas Agências, Delegacias ou Capitanias dos Portos em sua cidade de preferência. Para mais informações acesse este link.
      Uma vez resolvida a questão das habilitações de Amador, você poderá se preparar para o processo seletivo na modalidade online do Curso H através do Curso de Exercícios online e/ou através do nosso sistema de perguntas e respostas, o H Quest. O curso de exercícios online, apesar de seu nome, possui explicações aprofundadas de todos os assuntos do conteúdo programático onde o ponto de partida para cada explicação são as questões apresentadas no caderno de questões.
      Solicite uma aula teste e veja se este produto lhe atende.

Deixe uma resposta

×
Resumo das experiências profissionais:

– Prático dos portos do Estado do Espírito Santo (desde 2009).
– Aprovado em primeiro lugar na prova escrita do processo seletivo de 2008. – Piloto de caça do Primeiro Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque (2002 a 2008).
– Gerente de Manutenção e Logística das aeronaves de caça da Marinha, no Comando da Força Aeronaval (2008).
– Professor da cadeira de Aerodinâmica do curso de formação de Aviadores Navais (2005-2006).
– Aviador Naval, tendo-se formado após quatro anos de cursos nas Marinhas Norte-Americana e Argentina (1999 a 2002).
– Como Oficial do Corpo da Armada da Marinha do Brasil, realizou viagem de circunavegação no NE Brasil (1997) e embarcou em navios da Marinha, desempenhando várias funções a bordo e desenvolvendo sua qualificação profissional em navegação e náutica.
– Formado pelo Colégio Naval (1990) e bacharel em Ciências Navais pela Escola Naval, com especialização em sistemas de armas (1996).

Ao longo de 18 anos de carreira na Armada da Marinha do Brasil, realizou diversos cursos, dentre os quais se destacam os seguintes:
– Curso de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA, 2006);
– Curso de Estado Maior para Oficiais Intermediários (Escola de Guerra Naval, 2005);
– Curso de Preparação para Recebimento de Aeronaves (Instituto de Aeronáutica e Espaço, Centro Tecnológico da Aeronáutica, 2004), primeiro colocado;
– Qualificação de Pouso a Bordo de Porta-Aviões (USS John F. Kennedy, 2002);
– Advanced Strike Flight (Meridian NAS, US Navy, 2001-2002);
– Oral Proficiency Skills for Aviation (Defense Language Institute, Department of Defense, EUA, 2001);
– Curso Avançado de Caça e Ataque (Primera Escuadrilla Aeronaval de Ataque, Armada Argentina, 2000);
– Curso de Formação de Aviadores Navais (Escuela de Aviación Naval, Armada Argentina, 1999), primeiro colocado;
– Curso de Guerra Eletrônica para Oficiais (CAAML, 1998);
– Curso de Especialização de Armamento para Oficiais (CIAW, 1997).

Fundou o Curso H em outubro de 2010, e desde então se dedica a prover aos seus alunos a mais completa preparação para todas as etapas do processo seletivo para Praticantes de Prático.

Hercules Lima

Prático

Resumo das experiências profissionais nas áreas afins:

– Capitão–de–Mar–e–Guerra (RM1) do Corpo da Armada, Hidrógrafo.
– Curso de Aperfeiçoamento de Hidrografia para Oficiais da Marinha – 1º lugar com distinção;
– Comandante do Navio Hidrográfico “Argus” da DHN;
– Comandante do Navio Hidro-Oceanográfico “Almirante Graça Aranha” da DHN;
– Comandante do Aviso Hidrográfico “Camocim” da DHN;
– Chefe da “Comissão de Levantamentos Hidrográficos da Amazônia” (COLAM);
– Imediato, Chefe dos Departamentos de Hidrografia e Oceanografia e Encarregado de Navegação de vários navios hidrográficos e oceanográficos da DHN;
– Encarregado de Navegação do Navio-Escola “Brasil” em viagem por 28 países de quatro continentes;
– Chefe do Departamento de Instrução da DHN;
– Encarregado da Divisão de Cartografia da DHN;
– Instrutor das disciplinas Cartografia, Hidrografia, Construção da Carta Náutica e Geologia Marinha do Curso de Aperfeiçoamento de Hidrografia para Oficiais da Marinha;
– Autor do livro “Capitão Amador – Navegação Segura em Cruzeiros de Alto-mar”, recomendado pela Marinha para a prova de Capitão-Amador.
– Professor das matérias Meteorologia, Oceanografia, Navegação em Águas Restritas, Publicações da DHN, Comunicações, Manobras de Navios, Sinalização Náutica e Gerenciamento de Passadiço para concursos para Praticante de Prático.
– Professor de cursos de preparação para Capitão-Amador e Mestre-Amador, Meteorologia, Oceanografia, Planejamento de Cruzeiro Oceânico, Navegação Eletrônica e Navegação Astronômica.
– Professor de aulas práticas de utilização de aparelhos eletrônicos de navegação (radar, AIS, GPS e ecobatímetro).

Jaime Felipe

Capitão–de–Mar–e–Guerra

Resumo das experiências profissionais nas áreas afins:

Engenheiro da Computação e Matemático.
Ex-aluno do Curso H.

Resumo das experiências profissionais:

– Petrobras CENPES, pesquisador na área de detecção de vazamentos (escoamento confinado), 2012 a 2014;
– WesternGeco Schlumberger, trabalhando embarcado com serviços de sísmica;
– Curso Elite, professor de matemática, Porto Alegre, 2003;
– Curso Mauá, professor de matemática, Porto Alegre, 2000 a 2003.

Formação acadêmica:

– Engenharia da computação, IME, Rio de Janeiro, 2004 a 2008;
– Matemática, UFRGS, Porto Alegre, 2000 a 2003.

Thyago Kufner

Engenheiro e Matemático

Resumo das experiências profissionais:

Nicolas Klachquin

Professor

Resumo das experiências profissionais:

– Mais de 10 anos de experiência em telecomunicações, tendo trabalhado como Engenheiro e Gerente de Projetos para as empresas Vivo e Nextel, no Brasil, e para a Kordia Solutions, na Austrália, durante 5 anos.
– Gerente de Projetos de logística de medicamentos na Luft Logistics.

Formação acadêmica:

– MBA em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios (FVG – SP);
– Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal da Bahia (UFBA);
– Curso de Especialização em Telecomunicações (UFBA);
– Engenheiro de Áudio pela Escola de Engenharia de Áudio (SAE), Brisbane, Austrália;
– Capitão Amador.

Ex-aluno do Curso H.

Pablo Zuniga

Engenheiro Elétrico

Formação Acadêmica:

Bacharel em Análise de Sistemas – 2007 – Universidade Estácio de Sá
Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos – COPPEAD / UFRJ (2009)

Paulo Freitas

Analista de Sistemas

Resumo das experiências profissionais:

– Mais de 20 anos de experiência em consultoria nas áreas de gerenciamento de projeto, tecnologia da informação e desenvolvimento de sistemas.
– Atuou como consultor em projetos nos EUA, Panamá e Chile e no gerenciamento de TI de empresas nos EUA, tendo residido neste país por mais de 10 anos.
– Atuou como consultor da Marinha do Brasil em Washington-DC (CNBW) por um período de 2 anos.
– Atualmente, é consultor do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Formação acadêmica:

– Masters of Science Degree in Information and Telecommunication Systems, Johns Hopkins University, Baltimore – Maryland, USA, 1999.
– Bachelor of Arts Degree in Computer Information and Systems Science, University of the District of Columbia, Washington DC, USA, 1993.
– Associate of Arts Degree in Information Systems, Montgomery College, Rockville – Maryland, USA, 1991.

Ex-aluno do Curso H.

Jorge Mendes

Engenheiro de Sistemas

Formação Acadêmica:

Bacharelato em Oceanografia – UERJ – incompleto.
Bacharelato em Engenharia de Recursos Hídricos e do Meio Ambiente – UFF – Graduado em 2015 com foco em meteorologia sinótica da América do Sul e mudanças climáticas.

Resumo das experiências profissionais:

Lachmann – 2009 a 2011 – Agente Marítimo (visitador de navios).
Tide Maritime – 2011 a 2014 – Mesa de operações e atuação na área comercial como broker de navios CPP e DPP.
Curso H – Início em 2016.

Diego Soares

Engenheiro de Recursos Hídricos

O Capitão-de mar-e-guerra Paulo Roberto Valgas Lobo é autor do livro “Meteorologia e Oceanografia – Usuário Navegante”, adotado na bibliografia oficial para o Processo Seletivo para Praticantes de Prático (1ª edição: 1999, 2ª edição: 2007), e do livro de Meteorologia e Oceanografia para Ensino à Distância (2008).

Qualificações acadêmicas:

– Curso de graduação na Escola Naval (1959 a 1961);
– Curso de Aperfeiçoamento em Hidrografia e Navegação – DHN (1964);
– Mestrado em Meteorologia – INPE (1978 a 1981);
– Doutorado em Política e Estratégia Marítima – EGN (1988);
– Curso de Especialização em Previsão do Tempo e do Clima – UFRJ (1995);
– Curso de pós-graduação em Metodologia do Ensino Superior – UERJ (1998);
– Oceanógrafo (lei 11.760, de 31 de julho de 2008).

Experiências profissionais:

– Professor de Meteorologia e Oceanografia do Ensino Profissional Marítimo no CIAGA, desde 1995.
– Professor de Navegação, Meteorologia e Oceanografia na Escola Naval, de 1968 a 1971, e de 1999 a 2001;
– Comandante do Navio Hidro-Oceanográfico Canopus, 1986;
– Vice-Diretor do Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira, 1987;
– Vice-Diretor da Escola Naval, de 1989 a 1990.

Valgas Lobo

Capitão–de–Mar–e–Guerra

Prático da ZP-14 (Vitória), aprovado no Processo Seletivo para Praticantes de Prático de 2012/2013.
Capitão-de-Fragata (FN) da Marinha do Brasil.
Ex-aluno do Curso H.

Resumo das experiências profissionais:

– Comando da Companhia de Comunicações de Fuzileiros Navais;
– Instrutor do Curso de Aperfeiçoamento para Oficiais Fuzileiros Navais;
– Instrutor da Escola Naval;
– Oficial de Intercâmbio na Second Marine Division, United States Marine Corp – Marine Corp Base Camp Lejeune – NC – USA (2007/2008).

Formação acadêmica e principais cursos:

– Colégio Naval (1980 a 1982);
– Escola Naval (1983 a 1986);
– Curso Especial de Comunicações para Oficiais;
– Curso de Aperfeiçoamento para Oficiais;
– Curso de Inteligência para Oficiais;
– Curso de Especialização em Operações Anfíbias, Espanha;
– Curso Expedito de Operações Militares em Área Urbana, Inglaterra;
– Curso de Armamento Antiaéreo, Exército Brasileiro;
– Curso de Comando e Estado Maior para Oficiais, Escola de Guerra Naval;
– MBA de Gestão Empresarial pelo COPPEAD.

Evandro D’Aquino

Prático

Aprovado no Processo Seletivo para Praticantes de Prático de 2012/2013 para a ZP-14 (Vitória);
Capitão-de-Corveta da Marinha do Brasil;
Engenheiro Naval;
Ex-aluno do Curso H.

Resumo profissional e acadêmico:

– Formado pelo Colégio Naval (1991);
– Bacharel em Ciências Navais pela Escola Naval, com especialização em eletrônica (1997);
– Realizou viagem de circunavegação no Navio-Escola Brasil (1998);
– Embarque na Corveta Inhaúma (1999);
– Formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Computação pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, POLI-USP (2003).

Guido Botto

Prático

Aprovado no Processo Seletivo para Praticantes de Prático de 2012/2013.
Primeiro-Tenente da Marinha do Brasil.
Ex-aluno do Curso H.

Resumo das experiências profissionais:

– Embarcou em diversos navios da Marinha do Brasil e de Marinhas estrangeiras, ao longo de mais de 11 anos de carreira naval;
– Realizou viagem circunavegação no Navio-Escola Brasil (2009);
– Trabalhos na área de operações de inteligência e segurança na Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (CNUDS RIO+20), no Rio de Janeiro (2012);
– Intérprete e agente de ligação com a Royal Navy em operação conjunta das Marinhas do Brasil e Britânica (Passex Ocean), a bordo do navio HMS Ocean (2010);
– Diversas atuações como instrutor, na Marinha do Brasil e em instituições civis.

Formação acadêmica e principais cursos:

– Bacharel em Ciências Navais pela Escola Naval da Marinha do Brasil (2009);
– FA Basic Officer Leadership Course (Curso de Liderança para Oficiais do Exército Americano), graduado com honras de distinção (Distinguished Honor Graduate), Escola de Fort Sill, Oklahoma, EUA (2011);
– Brazilian Maritime Pilot Training, MITAGS & CURSO H, Baltimore, EUA (2013);
– Domínio dos idiomas inglês, francês e espanhol.

Paulo Torres

Prático

Aprovado no Processo Seletivo para Praticantes de Prático de 2012/2013 para a ZP-14 (Vitória).
Capitão-Tenente do Corpo da Armada da Marinha do Brasil, Hidrógrafo.
Ex-aluno do Curso H.

Resumo das experiências profissionais:

– Oficial do Centro de Hidrografia da Marinha, DHN (2014);
– Oficial de Manobra, Encarregado de Navegação e Encarregado da Divisão de Hidroceanografia do Navio Hidro-Oceanográfico Faroleiro “Almirante Graça Aranha” (DHN, 2012 a 2014);
– Embarque no Navio “Pará”, tendo navegado pelo Rio Amazonas e seus afluentes (2009 e 2010);
– Realizou viagem de circunavegação no “Navio-Escola Brasil” (2008);
– Monitor de navegação e manobra do navio de instrução “Guarda-Marinha Brito” (2007).

Formação acadêmica e principais cursos:

– Maritime Pilot Training – Mitags & Curso H, EUA (2013);
– Curso de Aperfeiçoamento de Hidrografia para Oficiais da Marinha (DHN, 2011);
– Escola Naval (2004 a 2007).

Raphael Sobreira

Prático

Aprovado no Processo Seletivo para Praticantes de Prático de 2012/2013 para a ZP-15 (Rio de Janeiro).
Capitão-de-Fragata da Marinha do Brasil e Capitão de Longo Curso da Marinha Mercante.
Ex-aluno do Curso H.

Resumo profissional e acadêmico:

– Ao longo da sua carreira na Marinha do Brasil, passou mais de 15 anos embarcado em navios de guerra;
– Instrutor do CIAGA em Manobra de Navio, Navegação Eletrônica e Navegação Astronômica;
– Mestrado em Ciências Navais;
– MBA em Gestão Empresarial, COPPEAD-UFRJ;
– Curso de Altos Estudos Militares, Escola de Guerra Naval;
– Curso de Estado Mayor de la Academia de Guerra de Naval de Chile.

Renato Kopezynski

Prático

– Nativo da língua inglesa, com doze anos de experiência no ensino de inglês, tendo lecionado em diversos países, dentre eles África do Sul, Brasil, Chile, Inglaterra e Angola.
– Graduado em Inglês e em Direito, é autor de diversos cursos de especialização, tais como: “Inglês para Pilotos da Aviação”, “Inglês para Comissários”, “Inglês para Praticagem” e “Inglês para Advogados”.

Informações adicionais:

– Proprietário da Global Aviation English e autor do maior Curso de Inglês online para aviação do mundo.
– Qualificação TEFL; e
– Autor de dez aplicativos para celular relacionados ao ensino de inglês.

Damon Freeman

Professor de Inglês

Prático dos Portos do Estado de São Paulo desde 2011.
Sétimo lugar geral no Processo Seletivo de 2011, somando 19 pontos na Prova Prático-Oral.
Graduado em Comércio Exterior pela Universidade Presbiteriana Mackenzie – SP (2005).
Capitão Amador.
Aluno da primeira turma do Curso H.

Caio Frare

Prático

Resumo das experiências profissionais:

- Técnico em Eletrônica;
- Piloto de aviões e planadores;
- Oficial da reserva de infantaria da FAB;
- Capitão Amador;
- Engenheiro Aeronáutico formado pelo ITA, com experiência em aerodinâmica, energia eólica e segurança de aeronaves.

Tomaz Cavalcante

Engenheiro Aeronáutico