Conheça o Prático Zé Peixe

Já imaginou ver um senhor magro com mais de 70 anos de idade saltar 18 metros do alto de um navio cargueiro no meio do oceano, pronto para nadar algumas horas de volta à costa? Se você é sergipano, é bem provável que já conheça a lenda deste homem, o Prático de Navios mais famoso do Brasil. Mas para quem ainda não conhece essa incrível história de humildade, resiliência e paixão pelo mar, será nosso prazer te apresentar José Martins Ribeiro Nunes, o inesquecível Zé Peixe.

Quem foi Zé Peixe

Nascido em Aracaju, em 1927, José Martins Ribeiro Nunes nunca gostou de tomar banho de água doce. Como gostava de dizer, “’banho, só de mar”. Enquanto seus amigos atravessavam o Rio Sergipe e iam para as praias de canoa, José atravessava a nado. Gostava de cruzar o rio para pegar frutas dos cajueiros na outra margem, mesmo contra a recomendação dos pais. Quando tinha 11 anos, já um excelente nadador, foi visto mergulhando próximo a Capitania dos Portos pelo comandante da marinha Aldo Sá Brito de Souza, que deu a ele o apelido que o acompanharia por toda a vida, “Zé Peixe”.

Prático Zé Peixe

Os pais de José Martins insistiam para que ele estudasse, mas o menino só gostava de ficar na praia, acompanhando o vai e vem dos navios, além de ajudar capitães locais com a mudança constante dos bancos de areia do rio. Já era Prático, e nem sabia. Aos 20 anos, por incentivo do pai, Zé Peixe participou do concurso de Prático da Capitania dos Portos local e foi aprovado, entrando assim na profissão que exerceria por mais de 60 anos. Homem simples, viúvo sem filhos e apaixonado pelo que fazia, morou sempre na mesma casa desde criança até a sua morte.

Zé Peixe e a Praticagem

Como Prático, Zé Peixe se destacou rapidamente por seu profundo conhecimento sobre as correntezas, mudanças de vento e profundidade da água na barra do Rio Sergipe, uma das entradas portuárias mais complexas do Brasil. Zé sabia manobrar um barco em segurança como ninguém.

Zé Peixe e costas

Apesar do grande talento como Prático, foi a forma única como exercia sua profissão que chamou atenção da mídia e de capitães pelo mundo todo: toda vez que um navio precisava sair do porto com a orientação de um Prático, Zé Peixe subia a bordo apenas de bermuda e camiseta e dispensava o barco de apoio para o retorno. Quando a manobra estava concluída, juntava seus pertences e saltava do parapeiro das embarcações, fazendo pulos de mais de 15 metros de altura até o mar, para então nadar 10 km de volta à costa e depois andar mais 10 km até a Capitania dos Portos, uma rotina que podia levar mais de 3 horas.

O que para Zé Peixe era um hábito, para os comandantes dos navios era algo que eles nunca tinham visto. Quem o conhecia contava a história de um comandante russo que, acreditando que ele estivesse louco, ordenou aos marujos que o segurassem antes do salto. Amor como o de Zé Peixe pelo oceano era difícil de encontrar. Quando um navio estava com entrada prevista no porto, por vezes ia remando em uma prancha até alto mar (12 km da costa) para esperar pela embarcação ali mesmo, sentado na boia de sinalização até que a maré estivesse adequada para a aproximação. Além do jeito único de trabalhar, Zé surpreendia capitães e tripulações ao realizar esses feitos mesmo em idade avançada. Afinal, quem era aquele senhor que se jogava ao mar depois da faina?

Zé Peixe saltando

A admiração e respeito que Zé Peixe provocava também valia para seus colegas, que o tinham como um homem íntegro e irrepreensível. O prático Leonardo Inácio, que conviveu com “Zé Peixinho” (como era conhecido pelos colegas), conta que era impossível apontar nele um único defeito. “Nenhuma pessoa que tenha convivido com Zé Peixe vai falar algo de ruim dele. Ele vai ficar na história como uma pessoa única, um ser humano sem máculas”, afirmou. Em sua opinião, a história de Zé Peixe, tanto no campo profissional como no pessoal, faz dele uma figura representativa do povo sergipano. “Eu tenho muito orgulho de ter tido a oportunidade de trabalhar com ele. Zé Peixe é uma das poucas pessoas que representam verdadeiramente a sergipanidade e é alguém que só honra a imagem do seu estado”, declarou Leonardo Inácio. 

Zé Peixe deixou a Praticagem aos 82 anos, a pedido próprio, já que a idade avançada e outras condições médicas poderiam comprometer o desempenho de sua função.

Os feitos de um homem simples

Ao longo das seis décadas da carreira, Zé Peixe mostrou sua bravura e foi homenageado muitas vezes. Ainda aos 25 anos, com ajuda da irmã Rita, salvou três velejadores do Rio Grande do Norte quando a embarcação virou no mar revolto. Outro caso marcante foi do navio Mercury, que pegou fogo em alto mar com vários funcionários da Petrobras. Ignorando o risco de explosão, o Prático foi até o navio em chamas, subiu a bordo e levou a embarcação até um ponto seguro em que a tripulação pudesse saltar e nadar até a praia.

Dentre os muitos prêmios conquistados, recebeu a Medalha ao Mérito do Rio Grande do Norte, a Medalha de Ordem ao Mérito Serigy, a mais alta condecoração do município de Aracaju, e também a Medalha Almirante Tamandaré, que homenageia instituições e pessoas que tenham prestado importante serviço na divulgação ou no fortalecimento das tradições da Marinha do Brasil. Teve a honra de ser um dos escolhidos para conduzir a tocha pan-americana em Sergipe durante os Jogos Pan-Americanos de 2007, realizando o trajeto de barco. Eventualmente, foi eleito o Cidadão Sergipano do Século XX.

Legado

Com sua morte em 2012, vítima de insuficiência respiratória, Zé Peixe saiu da vida para entrar na história de Sergipe. Conhecido por todos em Aracaju, seu velório lotou a Igreja de São José com mais de 400 pessoas entre amigos, fãs, colegas e autoridades locais.

Espaço Zé Peixe

Seu jeito vigoroso, corajoso, independente e trabalhador sempre foram vistos como exemplos de caráter e de envelhecimento digno. Ao longo de décadas, foi tema de vários jornais, revistas, livros (inclusive uma biografia, intitulada ‘Amigo das Águas’), entrevistas e reportagens televisivas, tanto nacionais quanto internacionais. No dia do seu último aniversário, viu a inauguração de seu busto na Praça dos Heróis, na Capitania dos Portos. Há uma estátua dele no Memorial de Sergipe outra no Espaço Zé Peixe, museu e centro cultural construído para preservar sua linda história na beira das águas do Rio Sergipe.

.

REFERÊNCIAS:

https://www.youtube.com/watch?v=VszrWX8g6Ik

https://pt.wikipedia.org/wiki/Z%C3%A9_Peixe

https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g303638-d8275664-Reviews-Espaco_Ze_Peixe-Aracaju_State_of_Sergipe.html

http://g1.globo.com/se/sergipe/noticia/2015/05/espaco-ze-peixe-e-inaugurado-nesta-terca-feira.html

http://www.navioseportos.com.br/site/index.php/pessoas/54-nossos-herois/312-pratico-jose-martins-ribeiro-nunes-ze-peixe

https://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2012-05-06/ze-peixe-o-pratico-que-guiava-os-navios-a-nado-em-sergipe.html

—————–

OUTRO ARTIGOS QUE PODEM TE INTERESSAR:

– A data do próximo concurso para Prático

– Entrevista com Prático – Caio Frare

– História da Praticagem no Brasil

– Como se tornar um Prático de Navios: o que você precisa saber

– Praticagem é Máfia? Entenda a origem do mito

 

Artigos Relacionados

4 Comentários

  • Washington Igor

    13 de março de 2020

    É o meu herói, desde criança o via passar por minha cidade Barra dos Coqueiros ! Sempre que estou no mar eu lembro dele !

    • joaorafael

      16 de março de 2020

      Que excelente, Washington! Zé Peixe é um grande exemplo para todo nós!

  • Giovane Vicente de Souza

    12 de março de 2020

    Muito boa história um homem desses com uma habilidade dessas ,trabalhei 23 anos embarcado nunca vi nada igual

    • joaorafael

      12 de março de 2020

      De fato, vai ficar para a história! Amor pelo mar como esse é único.

Deixe uma resposta

×
Resumo das experiências profissionais:

– Prático dos portos do Estado do Espírito Santo (desde 2009).
– Aprovado em primeiro lugar na prova escrita do processo seletivo de 2008. – Piloto de caça do Primeiro Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque (2002 a 2008).
– Gerente de Manutenção e Logística das aeronaves de caça da Marinha, no Comando da Força Aeronaval (2008).
– Professor da cadeira de Aerodinâmica do curso de formação de Aviadores Navais (2005-2006).
– Aviador Naval, tendo-se formado após quatro anos de cursos nas Marinhas Norte-Americana e Argentina (1999 a 2002).
– Como Oficial do Corpo da Armada da Marinha do Brasil, realizou viagem de circunavegação no NE Brasil (1997) e embarcou em navios da Marinha, desempenhando várias funções a bordo e desenvolvendo sua qualificação profissional em navegação e náutica.
– Formado pelo Colégio Naval (1990) e bacharel em Ciências Navais pela Escola Naval, com especialização em sistemas de armas (1996).

Ao longo de 18 anos de carreira na Armada da Marinha do Brasil, realizou diversos cursos, dentre os quais se destacam os seguintes:
– Curso de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA, 2006);
– Curso de Estado Maior para Oficiais Intermediários (Escola de Guerra Naval, 2005);
– Curso de Preparação para Recebimento de Aeronaves (Instituto de Aeronáutica e Espaço, Centro Tecnológico da Aeronáutica, 2004), primeiro colocado;
– Qualificação de Pouso a Bordo de Porta-Aviões (USS John F. Kennedy, 2002);
– Advanced Strike Flight (Meridian NAS, US Navy, 2001-2002);
– Oral Proficiency Skills for Aviation (Defense Language Institute, Department of Defense, EUA, 2001);
– Curso Avançado de Caça e Ataque (Primera Escuadrilla Aeronaval de Ataque, Armada Argentina, 2000);
– Curso de Formação de Aviadores Navais (Escuela de Aviación Naval, Armada Argentina, 1999), primeiro colocado;
– Curso de Guerra Eletrônica para Oficiais (CAAML, 1998);
– Curso de Especialização de Armamento para Oficiais (CIAW, 1997).

Fundou o Curso H em outubro de 2010, e desde então se dedica a prover aos seus alunos a mais completa preparação para todas as etapas do processo seletivo para Praticantes de Prático.

Hercules Lima

Prático

Resumo das experiências profissionais nas áreas afins:

– Capitão–de–Mar–e–Guerra (RM1) do Corpo da Armada, Hidrógrafo.
– Curso de Aperfeiçoamento de Hidrografia para Oficiais da Marinha – 1º lugar com distinção;
– Comandante do Navio Hidrográfico “Argus” da DHN;
– Comandante do Navio Hidro-Oceanográfico “Almirante Graça Aranha” da DHN;
– Comandante do Aviso Hidrográfico “Camocim” da DHN;
– Chefe da “Comissão de Levantamentos Hidrográficos da Amazônia” (COLAM);
– Imediato, Chefe dos Departamentos de Hidrografia e Oceanografia e Encarregado de Navegação de vários navios hidrográficos e oceanográficos da DHN;
– Encarregado de Navegação do Navio-Escola “Brasil” em viagem por 28 países de quatro continentes;
– Chefe do Departamento de Instrução da DHN;
– Encarregado da Divisão de Cartografia da DHN;
– Instrutor das disciplinas Cartografia, Hidrografia, Construção da Carta Náutica e Geologia Marinha do Curso de Aperfeiçoamento de Hidrografia para Oficiais da Marinha;
– Autor do livro “Capitão Amador – Navegação Segura em Cruzeiros de Alto-mar”, recomendado pela Marinha para a prova de Capitão-Amador.
– Professor das matérias Meteorologia, Oceanografia, Navegação em Águas Restritas, Publicações da DHN, Comunicações, Manobras de Navios, Sinalização Náutica e Gerenciamento de Passadiço para concursos para Praticante de Prático.
– Professor de cursos de preparação para Capitão-Amador e Mestre-Amador, Meteorologia, Oceanografia, Planejamento de Cruzeiro Oceânico, Navegação Eletrônica e Navegação Astronômica.
– Professor de aulas práticas de utilização de aparelhos eletrônicos de navegação (radar, AIS, GPS e ecobatímetro).

Jaime Felipe

Capitão–de–Mar–e–Guerra

Resumo das experiências profissionais nas áreas afins:

Engenheiro da Computação e Matemático.
Ex-aluno do Curso H.

Resumo das experiências profissionais:

– Petrobras CENPES, pesquisador na área de detecção de vazamentos (escoamento confinado), 2012 a 2014;
– WesternGeco Schlumberger, trabalhando embarcado com serviços de sísmica;
– Curso Elite, professor de matemática, Porto Alegre, 2003;
– Curso Mauá, professor de matemática, Porto Alegre, 2000 a 2003.

Formação acadêmica:

– Engenharia da computação, IME, Rio de Janeiro, 2004 a 2008;
– Matemática, UFRGS, Porto Alegre, 2000 a 2003.

Thyago Kufner

Engenheiro e Matemático

Resumo das experiências profissionais:

Nicolas Klachquin

Professor

Resumo das experiências profissionais:

– Mais de 10 anos de experiência em telecomunicações, tendo trabalhado como Engenheiro e Gerente de Projetos para as empresas Vivo e Nextel, no Brasil, e para a Kordia Solutions, na Austrália, durante 5 anos.
– Gerente de Projetos de logística de medicamentos na Luft Logistics.

Formação acadêmica:

– MBA em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios (FVG – SP);
– Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal da Bahia (UFBA);
– Curso de Especialização em Telecomunicações (UFBA);
– Engenheiro de Áudio pela Escola de Engenharia de Áudio (SAE), Brisbane, Austrália;
– Capitão Amador.

Ex-aluno do Curso H.

Pablo Zuniga

Engenheiro Elétrico

Formação Acadêmica:

Bacharel em Análise de Sistemas – 2007 – Universidade Estácio de Sá
Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos – COPPEAD / UFRJ (2009)

Paulo Freitas

Analista de Sistemas

Resumo das experiências profissionais:

– Mais de 20 anos de experiência em consultoria nas áreas de gerenciamento de projeto, tecnologia da informação e desenvolvimento de sistemas.
– Atuou como consultor em projetos nos EUA, Panamá e Chile e no gerenciamento de TI de empresas nos EUA, tendo residido neste país por mais de 10 anos.
– Atuou como consultor da Marinha do Brasil em Washington-DC (CNBW) por um período de 2 anos.
– Atualmente, é consultor do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Formação acadêmica:

– Masters of Science Degree in Information and Telecommunication Systems, Johns Hopkins University, Baltimore – Maryland, USA, 1999.
– Bachelor of Arts Degree in Computer Information and Systems Science, University of the District of Columbia, Washington DC, USA, 1993.
– Associate of Arts Degree in Information Systems, Montgomery College, Rockville – Maryland, USA, 1991.

Ex-aluno do Curso H.

Jorge Mendes

Engenheiro de Sistemas

Formação Acadêmica:

Bacharelato em Oceanografia – UERJ – incompleto.
Bacharelato em Engenharia de Recursos Hídricos e do Meio Ambiente – UFF – Graduado em 2015 com foco em meteorologia sinótica da América do Sul e mudanças climáticas.

Resumo das experiências profissionais:

Lachmann – 2009 a 2011 – Agente Marítimo (visitador de navios).
Tide Maritime – 2011 a 2014 – Mesa de operações e atuação na área comercial como broker de navios CPP e DPP.
Curso H – Início em 2016.

Diego Soares

Engenheiro de Recursos Hídricos

O Capitão-de mar-e-guerra Paulo Roberto Valgas Lobo é autor do livro “Meteorologia e Oceanografia – Usuário Navegante”, adotado na bibliografia oficial para o Processo Seletivo para Praticantes de Prático (1ª edição: 1999, 2ª edição: 2007), e do livro de Meteorologia e Oceanografia para Ensino à Distância (2008).

Qualificações acadêmicas:

– Curso de graduação na Escola Naval (1959 a 1961);
– Curso de Aperfeiçoamento em Hidrografia e Navegação – DHN (1964);
– Mestrado em Meteorologia – INPE (1978 a 1981);
– Doutorado em Política e Estratégia Marítima – EGN (1988);
– Curso de Especialização em Previsão do Tempo e do Clima – UFRJ (1995);
– Curso de pós-graduação em Metodologia do Ensino Superior – UERJ (1998);
– Oceanógrafo (lei 11.760, de 31 de julho de 2008).

Experiências profissionais:

– Professor de Meteorologia e Oceanografia do Ensino Profissional Marítimo no CIAGA, desde 1995.
– Professor de Navegação, Meteorologia e Oceanografia na Escola Naval, de 1968 a 1971, e de 1999 a 2001;
– Comandante do Navio Hidro-Oceanográfico Canopus, 1986;
– Vice-Diretor do Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira, 1987;
– Vice-Diretor da Escola Naval, de 1989 a 1990.

Valgas Lobo

Capitão–de–Mar–e–Guerra

Prático da ZP-14 (Vitória), aprovado no Processo Seletivo para Praticantes de Prático de 2012/2013.
Capitão-de-Fragata (FN) da Marinha do Brasil.
Ex-aluno do Curso H.

Resumo das experiências profissionais:

– Comando da Companhia de Comunicações de Fuzileiros Navais;
– Instrutor do Curso de Aperfeiçoamento para Oficiais Fuzileiros Navais;
– Instrutor da Escola Naval;
– Oficial de Intercâmbio na Second Marine Division, United States Marine Corp – Marine Corp Base Camp Lejeune – NC – USA (2007/2008).

Formação acadêmica e principais cursos:

– Colégio Naval (1980 a 1982);
– Escola Naval (1983 a 1986);
– Curso Especial de Comunicações para Oficiais;
– Curso de Aperfeiçoamento para Oficiais;
– Curso de Inteligência para Oficiais;
– Curso de Especialização em Operações Anfíbias, Espanha;
– Curso Expedito de Operações Militares em Área Urbana, Inglaterra;
– Curso de Armamento Antiaéreo, Exército Brasileiro;
– Curso de Comando e Estado Maior para Oficiais, Escola de Guerra Naval;
– MBA de Gestão Empresarial pelo COPPEAD.

Evandro D’Aquino

Prático

Aprovado no Processo Seletivo para Praticantes de Prático de 2012/2013 para a ZP-14 (Vitória);
Capitão-de-Corveta da Marinha do Brasil;
Engenheiro Naval;
Ex-aluno do Curso H.

Resumo profissional e acadêmico:

– Formado pelo Colégio Naval (1991);
– Bacharel em Ciências Navais pela Escola Naval, com especialização em eletrônica (1997);
– Realizou viagem de circunavegação no Navio-Escola Brasil (1998);
– Embarque na Corveta Inhaúma (1999);
– Formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Computação pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, POLI-USP (2003).

Guido Botto

Prático

Aprovado no Processo Seletivo para Praticantes de Prático de 2012/2013.
Primeiro-Tenente da Marinha do Brasil.
Ex-aluno do Curso H.

Resumo das experiências profissionais:

– Embarcou em diversos navios da Marinha do Brasil e de Marinhas estrangeiras, ao longo de mais de 11 anos de carreira naval;
– Realizou viagem circunavegação no Navio-Escola Brasil (2009);
– Trabalhos na área de operações de inteligência e segurança na Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (CNUDS RIO+20), no Rio de Janeiro (2012);
– Intérprete e agente de ligação com a Royal Navy em operação conjunta das Marinhas do Brasil e Britânica (Passex Ocean), a bordo do navio HMS Ocean (2010);
– Diversas atuações como instrutor, na Marinha do Brasil e em instituições civis.

Formação acadêmica e principais cursos:

– Bacharel em Ciências Navais pela Escola Naval da Marinha do Brasil (2009);
– FA Basic Officer Leadership Course (Curso de Liderança para Oficiais do Exército Americano), graduado com honras de distinção (Distinguished Honor Graduate), Escola de Fort Sill, Oklahoma, EUA (2011);
– Brazilian Maritime Pilot Training, MITAGS & CURSO H, Baltimore, EUA (2013);
– Domínio dos idiomas inglês, francês e espanhol.

Paulo Torres

Prático

Aprovado no Processo Seletivo para Praticantes de Prático de 2012/2013 para a ZP-14 (Vitória).
Capitão-Tenente do Corpo da Armada da Marinha do Brasil, Hidrógrafo.
Ex-aluno do Curso H.

Resumo das experiências profissionais:

– Oficial do Centro de Hidrografia da Marinha, DHN (2014);
– Oficial de Manobra, Encarregado de Navegação e Encarregado da Divisão de Hidroceanografia do Navio Hidro-Oceanográfico Faroleiro “Almirante Graça Aranha” (DHN, 2012 a 2014);
– Embarque no Navio “Pará”, tendo navegado pelo Rio Amazonas e seus afluentes (2009 e 2010);
– Realizou viagem de circunavegação no “Navio-Escola Brasil” (2008);
– Monitor de navegação e manobra do navio de instrução “Guarda-Marinha Brito” (2007).

Formação acadêmica e principais cursos:

– Maritime Pilot Training – Mitags & Curso H, EUA (2013);
– Curso de Aperfeiçoamento de Hidrografia para Oficiais da Marinha (DHN, 2011);
– Escola Naval (2004 a 2007).

Raphael Sobreira

Prático

Aprovado no Processo Seletivo para Praticantes de Prático de 2012/2013 para a ZP-15 (Rio de Janeiro).
Capitão-de-Fragata da Marinha do Brasil e Capitão de Longo Curso da Marinha Mercante.
Ex-aluno do Curso H.

Resumo profissional e acadêmico:

– Ao longo da sua carreira na Marinha do Brasil, passou mais de 15 anos embarcado em navios de guerra;
– Instrutor do CIAGA em Manobra de Navio, Navegação Eletrônica e Navegação Astronômica;
– Mestrado em Ciências Navais;
– MBA em Gestão Empresarial, COPPEAD-UFRJ;
– Curso de Altos Estudos Militares, Escola de Guerra Naval;
– Curso de Estado Mayor de la Academia de Guerra de Naval de Chile.

Renato Kopezynski

Prático

– Nativo da língua inglesa, com doze anos de experiência no ensino de inglês, tendo lecionado em diversos países, dentre eles África do Sul, Brasil, Chile, Inglaterra e Angola.
– Graduado em Inglês e em Direito, é autor de diversos cursos de especialização, tais como: “Inglês para Pilotos da Aviação”, “Inglês para Comissários”, “Inglês para Praticagem” e “Inglês para Advogados”.

Informações adicionais:

– Proprietário da Global Aviation English e autor do maior Curso de Inglês online para aviação do mundo.
– Qualificação TEFL; e
– Autor de dez aplicativos para celular relacionados ao ensino de inglês.

Damon Freeman

Professor de Inglês

Prático dos Portos do Estado de São Paulo desde 2011.
Sétimo lugar geral no Processo Seletivo de 2011, somando 19 pontos na Prova Prático-Oral.
Graduado em Comércio Exterior pela Universidade Presbiteriana Mackenzie – SP (2005).
Capitão Amador.
Aluno da primeira turma do Curso H.

Caio Frare

Prático

Resumo das experiências profissionais:

- Técnico em Eletrônica;
- Piloto de aviões e planadores;
- Oficial da reserva de infantaria da FAB;
- Capitão Amador;
- Engenheiro Aeronáutico formado pelo ITA, com experiência em aerodinâmica, energia eólica e segurança de aeronaves.

Tomaz Cavalcante

Engenheiro Aeronáutico