Prático de Navios subindo escada do navio

4 competências de um Prático de Navios

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Habilidades que um Prático precisa ter

Se você deseja ingressar na Praticagem, é preciso saber que existem algumas competências que fazem bastante diferença na rotina de trabalho de um Prático de Navios. Confira abaixo 4 dessas habilidades que vão auxiliá-lo a trilhar um caminho de sucesso.

1. Capacidade de trabalhar em equipe

Apesar de ser uma profissão em certo sentido “solitária”, pois a grande maioria das manobras conta com a assessoria de apenas um Prático, você vai trabalhar sempre em cooperação com outras pessoas de diferentes origens, tais como os tripulantes dos navios e dos rebocadores. Para tanto, construir relações colaborativas e saber lidar com as diferenças será crucial para um bom desempenho de suas funções.

Práticos de Navios trabalhando em equipe


2. Adaptação à falta de rotina

O trabalho de um Prático é totalmente flexível, simplesmente não existe uma rotina. Do ponto de vista da manobra, cada navio é único e pode se comportar de maneira diferente diante de uma mesma ordem de máquinas ou leme. Do ponto de vista de horários, sendo o trabalho organizado em regime de plantão, você deverá estar sempre disponível para atendimento aos navios durante o seu período de escala, a qualquer hora do dia ou da noite.

Praticagem durante a noite


3. Higidez física e mental

Uma das etapas do Processo Seletivo para Praticantes de Prático envolve avaliações físicas. Isso deve-se ao fato de o ofício exigir um bom estado de saúde (física e mental) dos profissionais que exercem a atividade. Estar apto a subir por escadas inclinadas com desenvoltura, faça chuva ou faça sol, será tão importante para você quanto conseguir concentrar-se e processar as diversas informações essenciais que estarão presentes em cada manobra.

Prático de Navios subindo escada do navio


4. Raciocínio Lógico e percepção

Durante o desempenho de suas funções como Prático, você se verá em momentos críticos em terá que utilizar ao máximo sua percepção e seu raciocínio lógico. A percepção será necessária para capturar quase que instantaneamente as informações mais sutis que podem influenciar no comportamento do navio, e o raciocínio lógico será essencial para interpretá-las de forma correta e tomar a melhor decisão.

Prático de Navios subindo escada da embarcação

O Prático, além de ser um piloto, é em essência um gestor de riscos. Para que as suas ordens de manobra sejam eficazes e se traduzam em maior segurança para os navios e instalações portuárias, ele deve desenvolver o que chamamos de “consciência situacional” (ou situation awareness), que nada mais é do que a capacidade de compreender tudo o que se passa à sua volta, todos os riscos e todos os recursos disponíveis para mitigá-los. 

Mas não se assuste. Essas habilidades podem ser desenvolvidas e aperfeiçoadas durante o chamado “Estágio de Qualificação para Praticantes de Prático”. Nesta etapa, que se segue ao processo seletivo, o aspirante a Prático tem a oportunidade de aprender de perto com os profissionais essas e outras competências que tornam a atividade tão singular e a colocam entre as opções de carreira mais desejadas no Brasil.

 

Confira também alguns artigos relevantes para quem está considerando tornar-se um Prático de Navios:

A Praticagem é para Todos

Melhor opção de Carreira

Como trabalha um Prático

Praticagem é Máfia?

6 respostas

    1. Olá, Eduardo. Tudo bem?
      Não há limite de idade para ser Prático de Navios. No entanto, sempre esclarecemos que uma das etapas do Processo Seletivo (concurso) envolve avaliações físicas e o exercício da profissão demanda bom estado de saúde dos profissionais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 respostas

    1. Olá, Eduardo. Tudo bem?
      Não há limite de idade para ser Prático de Navios. No entanto, sempre esclarecemos que uma das etapas do Processo Seletivo (concurso) envolve avaliações físicas e o exercício da profissão demanda bom estado de saúde dos profissionais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *