Uma conversa sobre investimento

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Conversa sobre investimento

Experimente comprar uma bicicleta bacana e economizar no cadeado, ou comprar um guarda-chuvas de 10 reais, ou ainda fazer uma tatuagem na banquinha da praça. E que tal um carro importado sem seguro? Ou um jeitinho na fiação para enganar o disjuntor que anda desarmando? A lista segue sem fim. Quem nunca tomou uma dura lição com esse tipo de economia? Vá com o baratinho para “quebrar o galho” e o resultado logo aparece.

Mas a palavra investimento não se limita apenas ao seu óbvio aspecto financeiro. Ela inclui também o uso sábio de um recurso que é limitado a todos os seres vivos: o tempo (ou energia vital, como prefira). Gaste todo o seu tempo e energia apenas em prazeres efêmeros em detrimento, por exemplo, de buscar melhorar sua qualificação profissional, e o futuro se encarregará de lhe mostrar as consequências das suas escolhas.

E não dá para falar de investimento sem lembrar do economista italiano Vilfredo Pareto, que, em 1892, publicou em seu artigo “Cours d’économie politique” o que mais tarde viria a ser conhecido como Princípio de Pareto, ou Lei dos Poucos Vitais, ou ainda Regra do 80/20, segundo a qual, para muitos eventos observados, aproximadamente 80% dos efeitos advêm de apenas 20% das causas.

Suas aplicações são inúmeras. A Microsoft notou que, ao corrigir os primeiros 20% dos bugs mais relatados, 80% dos erros e panes de um dado sistema eram eliminados. Em teste de carga, é uma prática comum estimar que 80% do tráfego ocorre em 20% do tempo. Em segurança do trabalho, assume-se que 20% dos perigos respondem por 80% dos acidentes. 80% dos crimes são cometidos por 20% dos criminosos, e por aí vai.

O entendimento de Pareto é fundamental quando se pretende otimizar o uso do tempo e dos recursos para a conquista de qualquer objetivo. Saber concentrar energia exatamente naqueles poucos pontos que serão os mais determinantes para o seu resultado é a chave.

Trazendo as ideias acima para o seu contexto profissional

Primeiro, encontre onde estão aqueles 20% onde você deve concentrar suas energias, de onde sairão 80% dos resultados positivos que você terá na sua vida. Depois, determine como você vai alocar inteligentemente os seus limitados recursos.

Faça um MBA numa instituição de ponta. Vai te consumir uns 2 a 3 anos e não menos que 60 mil reais. Ou que tal tentar uma formação em medicina? Vestibular difícil, 8 a 10 mil por mês numa faculdade particular por uns 6 anos, mais o tal do Medcurso, e depois uns 2 anos de residência. São opções boas e consagradas, sem dúvida.

Ou que tal se tornar um Prático de Navios? Que escolha profissional te trará tanto retorno em termos de qualidade de vida, remuneração e estabilidade, e com um investimento (em recursos e tempo) várias vezes menor? Em outubro de 2006, com a única certeza de que queria mudar de vida, eu enfrentei a seguinte escolha pessoal: fazer um MBA em gestão de projetos ou começar a estudar para tornar-me um Prático. Felizmente, fui na segunda opção. Os mais de 200 Práticos que estudaram no Curso H na última década também parecem ter acertado na escolha da carreira. Deixo aqui duas frases já manjadas, mas de grande valor: “negócios grandes dão o mesmo trabalho que negócios pequenos” e “se quiser acertar um elefante, atire num elefante”. Conclua você mesmo.

Sobre determinação e atitudes baratas

Seja qual for a sua escolha, se você acredita ter encontrado aqueles 20% que vão te trazer retorno de verdade, concentre ali as suas energias. Foi o que fiz entre 2006 e 2008 quando, por dois anos, abri mão de todo e qualquer tempo livre que tinha para dedicar-me aos estudos. Mudei-me para mais perto do trabalho para não perder tempo com transporte, reuni a bibliografia no meu novo QG e só parei de estudar na véspera da prova.

Doar-se pouco aos estudos, matricular-se naquele curso baratinho, conseguir aquele material pirata já meio desatualizado, manter os finais de semana livres para o lazer… Que mal haveria nisso? Afinal, ainda não se sabe a data do próximo concurso! Melhor gastar minha grana com um iPhone XI, ir ao Rock in Rio por 525 reais a noite, dar 700 pilas no último modelo da Nike, ou fazer aquela viagem com os amigos. Ora, tudo isso só vai te levar a quase passar, o que é o mesmo que não passar.

A frase “barato que sai caro” ganha sua máxima expressão no caso de concursos. Quem acha que o investimento para se tornar um Prático é alto é porque certamente desconhece todos os benefícios e a realização pessoal e profissional que essa profissão pode lhe proporcionar. Neste fim de ano, aproveito para desejar-lhe boas festas, ou bons estudos, se você já começou!
.

Um abraço,
.

Hercules Lima
Prático e fundador do Curso H
.
.

—————–

OUTRO ARTIGOS QUE PODEM TE INTERESSAR:

– A data do próximo concurso para Prático

– Entrevista com Prático – Caio Frare

– História da Praticagem no Brasil

– Como se tornar um Prático de Navios: o que você precisa saber

– Praticagem é Máfia? Entenda a origem do mito

 

ebook-manual-do-concurseiro

30 respostas

  1. Boa noite,
    Hércules, poderia fazer uma matéria relatando como foi sua jornada de estudos? Conte-nos como foi sua jornada, dificuldades, insegurancas, etc. Certeza que seria uma injecao de animo e motivacao pra gente.
    Grato.
    Parabens pelo curso, estou adorando.

  2. Olá. Também quero mais informações, por favor, tais como valor, previsão de o curso ser apenas online? Moro no Acre. Não tenho acesso fácil às cidades nas quais as aulas podem ser assistidas. Obrigada.

  3. Boa tarde!
    Tenho pesquisado no material disponível no site, recebido os emails, etc., mas nada menciona objetivamente valores ou carga horária necessária para realizar os cursos que vocês oferecem.

    Gostaria de saber objetivamente quanto precisarei investir para fazer o curso, tanto em termos financeiros quanto em termos de tempo.

    Obrigado!

  4. Olá, Boa Tarde
    Eu li no site da DPC que para participar do processo seletivo o candidato tem que ter ensino superior, minha pergunta é, se o candidato for graduado em um curso de tecnólogo de comercio exterior, que é considerado um curso de ensino superior, teria sua candidatura invalidada?

    1. Olá, Roney! Para ter uma chance de passar, antes é preciso estudar o conteúdo programático dos editais a fundo para compreender a matéria, que é extensa e específica. Sobre os requisitos do concurso, você pode ver a lista completa neste link: https://www.marinha.mil.br/dpc/sites/www.marinha.mil.br.dpc/files/processo-selecao/normam12.pdf

      Segundo a NORMAM, sua idade e formação não são um problema (não existe idade máxima, só idade mínima de 18 anos). Pessoas de qualquer formação superior podem concorrer, inclusive muitos Práticos que estudaram conosco vieram de outras áreas. Sobre o inglês, é essencial que você tenha este conhecimento, por isso também oferecemos um curso específico de Inglês para Praticagem envolvendo todos os termos e expressões do contexto da profissão. Com essa preparação, é sim possível conquistar esse grande objetivo.

  5. Sou apaixonado pela profissão e gostaria de saber como entrar neste universo que sempre me disseram ser pra pouquíssimos. Como devo proceder? Não sei por onde começar e como conciliar o estudo com o trabalho.

    1. Olá, Josimara! Te enviei agora um e-mail com mais informações sobre a Praticagem e o LINK para a NORMAN 12, onde você pode ler tudo sobre o processo seletivo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

30 respostas

  1. Boa noite,
    Hércules, poderia fazer uma matéria relatando como foi sua jornada de estudos? Conte-nos como foi sua jornada, dificuldades, insegurancas, etc. Certeza que seria uma injecao de animo e motivacao pra gente.
    Grato.
    Parabens pelo curso, estou adorando.

  2. Olá. Também quero mais informações, por favor, tais como valor, previsão de o curso ser apenas online? Moro no Acre. Não tenho acesso fácil às cidades nas quais as aulas podem ser assistidas. Obrigada.

  3. Boa tarde!
    Tenho pesquisado no material disponível no site, recebido os emails, etc., mas nada menciona objetivamente valores ou carga horária necessária para realizar os cursos que vocês oferecem.

    Gostaria de saber objetivamente quanto precisarei investir para fazer o curso, tanto em termos financeiros quanto em termos de tempo.

    Obrigado!

  4. Olá, Boa Tarde
    Eu li no site da DPC que para participar do processo seletivo o candidato tem que ter ensino superior, minha pergunta é, se o candidato for graduado em um curso de tecnólogo de comercio exterior, que é considerado um curso de ensino superior, teria sua candidatura invalidada?

    1. Olá, Roney! Para ter uma chance de passar, antes é preciso estudar o conteúdo programático dos editais a fundo para compreender a matéria, que é extensa e específica. Sobre os requisitos do concurso, você pode ver a lista completa neste link: https://www.marinha.mil.br/dpc/sites/www.marinha.mil.br.dpc/files/processo-selecao/normam12.pdf

      Segundo a NORMAM, sua idade e formação não são um problema (não existe idade máxima, só idade mínima de 18 anos). Pessoas de qualquer formação superior podem concorrer, inclusive muitos Práticos que estudaram conosco vieram de outras áreas. Sobre o inglês, é essencial que você tenha este conhecimento, por isso também oferecemos um curso específico de Inglês para Praticagem envolvendo todos os termos e expressões do contexto da profissão. Com essa preparação, é sim possível conquistar esse grande objetivo.

  5. Sou apaixonado pela profissão e gostaria de saber como entrar neste universo que sempre me disseram ser pra pouquíssimos. Como devo proceder? Não sei por onde começar e como conciliar o estudo com o trabalho.

    1. Olá, Josimara! Te enviei agora um e-mail com mais informações sobre a Praticagem e o LINK para a NORMAN 12, onde você pode ler tudo sobre o processo seletivo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *